Vitamina E previne rugas e reduz risco de câncer; veja fontes do nutriente | Humana Saúde
close-icon

Quer mais facilidade?
Baixe o app da Humana Saúde.

Fique por dentro

01/03/21 11:55 | NOTÍCIAS

Vitamina E previne rugas e reduz risco de câncer; veja fontes do nutriente

Presente especialmente em folhas verde-escuras e oleaginosas, a vitamina E é um nutriente importante por sua ação antioxidante e anti-inflamatória, impedindo o envelhecimento precoce das células do corpo.

Essa ação protetiva previne o surgimento de rugas no rosto e reduz o risco de desenvolver doenças como câncer e Alzheimer. A seguir, saiba mais sobre o nutriente:

O que é a vitamina E?

Também chamada de tocoferol, a vitamina E é um nutriente lipossolúvel que tem como principal função a ação antioxidante.

O corpo humano não sintetiza a vitamina E, então é necessário que sua ingestão seja por meio da alimentação ou de suplementação.

Para que serve vitamina E?

Como tem função antioxidante, a principal função da vitamina E é proteger o organismo dos efeitos dos radicais livres, que, por sua vez, são os responsáveis por danificar as próprias células. Com o tempo, essas moléculas se acumulam e, por isso, envelhecemos.

Quais são os benefícios da vitamina E?

A função antioxidante da vitamina E ajuda a proteger a membrana das células do corpo da ação dos radicais livres. Essa função vai auxiliar na prevenção do envelhecimento precoce das células —processo que, por sua vez, vai reduzir o risco do surgimento de doenças como câncer e Alzheimer.

A vitamina E ainda auxilia na modulação da arteriosclerose —fundamental para evitar problemas cardiovasculares, como infarto.

Também é importante para evitar o aparecimento da esteatose hepática (conhecida popularmente como gordura no fígado).

O que a deficiência de vitamina E pode causar?

A baixa absorção ou falta da vitamina E no organismo não é comum e pode ser provocada por algum distúrbio que impeça a boa absorção de gorduras.

A principal consequência da falta do nutriente é o envelhecimento precoce de todas as células do corpo. Isso pode provocar:

  • doenças neuromusculares (como Síndrome de Guillain-Barré, distrofias musculares, fraqueza);
  • problemas neurológicos;
  • anemia;
  • retinopatia (lesões não inflamatórias na retina);
    diminuição da resposta imune do organismo;
  • queda de cabelo.

A deficiência de vitamina E ainda pode influenciar no desenvolvimento de doenças crônicas como câncer, problemas no sistemas cardiovascular e até Alzheimer.

Vitamina E é boa para cabelo e unhas?

Sim, mas não sozinha. A vitamina E auxilia na reparação e reconstrução dos tecidos. Junto com o selênio (outro nutriente importante para o funcionamento do organismo), ela é responsável por melhorar e fortalecer unhas e cabelo.

Posso usar vitamina E para a pele?

Sim. O efeito antioxidante da vitamina E atua prevenindo o envelhecimento precoce da pele, melhorando o viço e reduzindo rugas e linhas de expressão. O nutriente também melhora a hidratação do tecido. Nesses casos, a indicação pode ser tanto por via oral como uso tópico.

Quais alimentos possuem vitamina E?

Por ser lipossolúvel, a vitamina E é encontrada especialmente em óleos e gorduras. As principais fontes dela são:

  • vegetais verde-escuros (espinafre, couve, rúcula, agrião);
  • semente oleaginosas;
  • óleos vegetais;
  • gérmen de trigo.

A vitamina E também está presente em alguns alimentos de origem animal, como fígado e ovo.

Qual a quantidade recomendada de vitamina E?

A recomendação atual é que sejam ingeridos 15 mg do nutriente todos os dias. No caso de suplementação como parte de um multivitamínico, a quantidade não deve passar dos 150 mg diários.

É importante lembrar que uma dieta rica em frutas e hortaliças, mas pobre em gorduras provavelmente não atingirá a quantidade mínima do nutriente —a menos que se incluam nozes e cereais para complementar a alimentação.

Como saber se eu preciso tomar vitamina E?

Qualquer suplementação de vitamina deve ser feita apenas sob orientação médica.

No caso da vitamina E, bebês prematuros e doenças que provocam má absorção de gorduras (como insuficiência pancreática ou doença de Crohn) podem provocar o problema. Nesses casos, um exame de sangue deve ser feito e o quadro acompanhado pelo especialista.

O que acontece se eu tomar muita vitamina E?

Os casos de superdosagem não são comuns, mas podem acontecer, especialmente com a combinação de alimentação rica no nutriente e suplementação feita sem acompanhamento médico.

Os principais sintomas são:

  • náuseas;
  • dor de cabeça;
  • fadiga;
  • alterações na coagulação sanguínea;
  • palpitações;
  • diarreia;
  • flatulência.

A vitamina E é boa para a fertilidade masculina?

Sim. O efeito antioxidante da vitamina E se estende aos espermatozoides (as células reprodutoras masculinas), protegendo-os contra a ação dos radicais livres e evitando a degradação deles. Os bons níveis da vitamina ainda são importantes para a produção adequada de hormônios envolvidos na fertilidade masculina.

Fontes: Carla Vidal, dermatologista, membro da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia); Fernanda Maluhy, nutricionista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz; Marcella Garcez Duarte, médica nutróloga, diretora da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia); Maria Fernanda Vischi D'Ottavio, nutricionista do HCor.

Fonte: UOL
Imagem ilustrativa: Bigstock
Edição: C.S.