Fique por dentro

09/04/21 08:54 | NOTÍCIAS

Especialista traz dicas sobre como promover mais autonomia na vida da pessoa com autismo

À medida que o autista cresce surge o desafio de saber como promover mais autonomia na sua vida. Essa preocupação envolve tanto a pessoa com autismo, dependendo do grau de comprometimento do transtorno em seu desenvolvimento, quanto a própria família.    

A terapeuta ocupacional Janiele Melo (Crefito 14 9112 - TO) traz algumas dicas que podem ajudar tanto pais quanto cuidadores nesse processo. Afinal, quem está dentro do Transtorno do Espectro Autista (TEA) precisa de rotina, incentivo, paciência e de acompanhamento profissional adequado.

"Por vezes, será necessário o suporte e supervisão de profissionais capacitados e orientação parental (família e cuidadores) para a realização das atividades que proponho aqui. Elas também vão depender dos diversos graus do autismo, ou seja, se ele é leve, moderado ou severo. Mas o fundamental é saber que, com apoio familiar e também especializado, a pessoa com autismo pode desenvolver muitas de suas potencialidades e ter qualidade de vida", afirma Janiele Melo.

Confira abaixo as dicas da especialista:

Rotina é fundamental

Seja para a criança ou adolescente com autismo, ter uma rotina planejada contribui para trazer previsibilidade ao seu dia a dia, o que reduz a ansiedade e possibilita ações com mais iniciativa e autonomia.

Incentive atividades lúdicas  

A organização do pensamento crítico do autista precisa ser incentivada para melhorar sua compreensão do mundo. Isso pode ser feito de forma lúdica, envolvendo a família, por meio de:

  • Jogos de mímica;
  • Encenações teatrais;
  • Assistir filmes e séries em família;
  • Leituras e recontos de histórias
  • Exercícios sobre interpretação de charges e tirinhas.
Inclua a temática do autismo.

É importante incluir materiais com a temática do autismo. Isso ajuda o autista a se reconhecer e a entender suas características.

Promova atividades da vida prática

Dependendo do grau do autismo e da idade, é fundamental incentivar ações da vida prática, o que promove mais independência e segurança para o autista, como por exemplo.
  • Ensinar o preparo de refeições, mesmo de pratos básicos;
  • Envolvê-lo nas tarefas domésticas;
  • Orientar sobre o uso de transportes e aplicativos (apps) e como se comportar em locais públicos como shopping, supermercados e cinemas;
  • Orientar sobre o uso do celular e outros aparelhos de comunicação. No caso do celular, avalie o que ele pode assistir, pois há muitos conteúdos inadequados; Lembre-se que o autista entende tudo de forma literal;
  • Orientar no gerenciamento das medicações que ele toma, isso fortalece a atenção e a responsabilidade com a própria saúde.
Crie acomodações sensoriais e enriqueça o ambiente para evitar ou acalmar crises

Pessoas com autismo apresentam alterações sensoriais significativas com sobrecarga de estímulos, o que pode desencadear uma crise, provocando comportamentos inadequados. Para evitar isso:
  • Separe um cantinho da casa só para a criança ou o adolescente, o que permite que ele/ela se afaste e se acalme naquele lugar quando precisar. Enriqueça esse local com objetos que tragam conforto e alívio (isso depende de cada disfunção sensorial);
  • Se houver qualquer evento novo na rotina, avise com antecedência, através de vídeos, figuras, contagem dos dias no calendário ou pistas visuais.
Por Catarina Santiago

Imagem: arquivo pessoal